sexta-feira, 13 de julho de 2018

IPSIS LITTERIS


Litteris, letras,
Matéria-prima das palavras
Manifestação artística
Literatura

Literatura de má qualidade
Pretensiosa
Literatismo, literatice

Blogson Crusoe


quinta-feira, 12 de julho de 2018

TIRANDO O BLOG DE DENTRO DO BLOG


Um dos contos mais divertidos escritos pelo Monteiro Lobato é “O colocador de pronomes”, que conta a história de Aldrovando Cantagalo, que nasceu em virtude de um erro de gramática e morreu em consequência de outro. A título de curiosidade, foi com a leitura desse texto que aprendi o uso da partícula apassivadora, mas não vou dar um spoiler disso. O que importa é que o gramático escreveu um tratado de português que não interessou a nenhuma editora. Exasperado, resolveu ele mesmo bancar os custos de impressão do primeiro volume. E a história vai por aí.

E a pergunta que ninguém fará é: Por qual motivo estou falando disso? Pelo simples motivo de estar às voltas com a escolha, ordenação e diagramação de posts publicados nesta bagaceira, para impressão. Trocando em miúdos: já que poucas pessoas acessam o Blogson, resolvi tirar o blog de dentro do blog,  materializar o melhor do “peor”, expor textos e “desenhos” à luz do sol.

Os mais afoitos poderão indagar “Mas para que isso, criatura?” Ou “Deixa de viadagem, Jotabê!” A resposta para isso é o desejo de ver impresso em formato caderno uma seleção dos posts mais bem sacados (na minha opinião!). E, se o resultado ficar bom, dar de presente (de grego) para algumas pessoas. Isso tem tomado tanto tempo, que estou sem inspiração ou vontade de escrever coisas novas para postar no blog. E há surpresas também, pois descobri algumas coisas bem legais no meio do lixão (sabe como é, sou um pai amoroso...). Por isso, fica aqui a sugestão: Blogueiros do meu Brasil, na falta momentânea ou definitiva de inspiração, venham para a luz! Peraí, isso é Poltergeist! Falando sério, fica a sugestão: releiam seus posts, separem os atemporais e, dentre eles, os que mereceriam ser transportados para o “mundo real”. É diversão garantida, podem acreditar.

ULTIMATO - BOB TOSTES & MARCELO GAZ


Em BH existe há décadas uma emissora de rádio pública pertencente ao estado de Minas Gerais. A versão FM atende pelo nome “Brasileiríssima”, pois só toca música brasileira. Por ser estatal, dá-se ao luxo de divulgar (irradiar?) músicas e intérpretes que ninguém ou quase ninguém conhece.

Outro dia ouvi uma música 100% mineira que nunca tinha ouvido e achei totalmente demais. Custei para encontrar no Youtube, pois o intérprete e compositor também é pouquíssimo conhecido. Mas é bem legal. Olhaí.


quarta-feira, 11 de julho de 2018

RECEITA DE PRESIDÊNCIA


Hoje em dia, o que tem de reality show culinário não é normal. Na TV aberta ou nos canais por assinatura; de manhã, tarde, noite ou madrugada. Por isso, talvez intoxicado pela exposição prolongada a ingredientes cozidos, assados, fritos, refogados ou crus combinados nas formas mais bizarras ou atraentes, fiquei pensando que as próximas eleições lembram um pouco esse tipo de disputa, porque enquanto os competidores mais fracos ou despreparados vão ficando pelo caminho, o chef de melhor desempenho ganha o prêmio e a glória. Além disso, cada candidato tem sua própria receita e usa as técnicas que melhor domina.

Por essas e por outras (falta do que dizer), resolvi elaborar uma receita para fazer uma avaliação prévia de cada um dos mais de vinte pré-candidatos. Confere aí.

RECEITA DE PRESIDÊNCIA

Ingredientes:
- Educação
- Saúde
- Segurança pública
- Melhoradores/ aeradores

Preparo:
A primeira providência é fazer um levantamento dos ingredientes da despensa e listar o que está em falta. Como esta receita é delicada, deve-se tomar muito cuidado para não desandar. Produtos de segunda linha ou em quantidades insuficientes estragam a receita.

A melhor técnica sugere que se faça um planejamento detalhado da utilização dos recursos existentes. Nessa hora o uso de balança (de pagamentos) é obrigatório, não dá para improvisar. E de nada adianta afobar-se para mostrar resultado.

Nunca é demais lembrar que receitas sofisticadas exigem gastos elevados. Entretanto, se a conta corrente estiver com saldo pequeno, o melhor a fazer é escolher uma versão mais simples e cortar gastos supérfluos, pois o uso de cheque especial deve ser evitado a todo custo.

Há ingredientes absolutamente fundamentais e necessários para a qualidade da receita, mas existem chefs que não dão valor ou até mesmo os desprezam. Liberdade irrestrita de expressão e ética são ingredientes que devem ser usados de forma abundante, quantum satis, pois são melhoradores indispensáveis à leveza e sabor do resultado final. A forma escolhida deve ser forrada com o equilíbrio das contas públicas, para não agarrar. E o forno, independente da marca, deve ser sempre ajustado para temperatura moderada, pois temperaturas elevadas queimam o produto.


terça-feira, 10 de julho de 2018

BONITO, HEIM?

Tenho me desligado um pouco do Blogson graças a um desejo secreto que vinha alimentando há tempos: fazer uma revista com os desenhos postados no blog. Nunca imaginei que diagramar alguma coisa daria tanto trabalho! Em compensação, como não tenho software adequado nem experiência na área, tenho me divertido pra caramba tentando organizar as imagens para ser impressas em formato A5.

Qual o prazer ou sentido prático de uma idiotice dessas?, pensarão os 2,3 leitores. A primeira vantagem é tátil, é ver como as bobagens que imaginei se comportarão no mundo real, no papel. A segunda é dar uma cópia de presente (de grego) para cinco ou seis pessoas. Se o resultado ficar bom, pretendo estender a experiência para os “diálogos de spamtar” e depois para os contos e poemas. Vaidade descontrolada? Claro que é. Por isso, tenho deixado de pensar em novos posts e assuntos. Para não deixar passar muito tempo sem nova postagem, resolvi reciclar uma brincadeira que fiz no facebook, reproduzida a seguir:



Li na VEJA que “os brasileiros investem mais em beleza do que em educação”. Segundo a revista, nós estamos entre os povos mais vaidosos do mundo. E de acordo com pesquisa do instituto Gallup, “61% da população considera a aparência física o fator mais importante para o sucesso”.

Desse jeito, se o filhão afundar nas provas, pisar no tomate, mijar fora do penico e o pai, puto da vida, disser “- Que bonito, heim?”, é capaz de ouvir do herdeiro um “- Brigado, paizão!”. É ruim!



sexta-feira, 6 de julho de 2018

quinta-feira, 5 de julho de 2018

(H)ELA, AFINAL - A MARRETA DO AZARÃO


Às vezes o Medo, a Tristeza, o Cansaço, o Desânimo, a Desesperança.o Desencanto, a Depressão e mais um bando de sentimentos negativos se encontram, se juntam, transformando-se em uma "turma da zona norte", gangue do mal, macro-molécula do desalento - que nos ataca, que se instala sem cerimônia em nossa mente. Nessas horas surge o desejo de que a Vida passe rápido, de que a "indesejada das gentes" não demore a chegar. Mas de repente, essa sensação muda e o céu fica lindo e sem nuvens. E la nave va

Olha que magnífico poema: 

Que a Morte me chegue
Como a vida sempre me veio,
Inesperada, sem planos
Sem nada falar.

Que a Morte me seja
Como a vida sempre me foi,
Sem hora marcada, sem compromissos
Sem avisar.

E que venha me buscar
Depois de um banho
Quando eu ainda estiver com o cabelo molhado
Despenteado, esparramado pela testa.
Simplesmente bata à minha porta
E diga,
" - Vamos, estamos atrasados para a festa."


CANTO PARA A MINHA MORTE - RAUL SEIXAS


Não ouvi a música ainda, mas a letra é impressionante. Olhaí.


Eu sei que determinada rua que eu já passei
Não tornará a ouvir o som dos meus passos.
Tem uma revista que eu guardo há muitos anos
E que nunca mais eu vou abrir.
Cada vez que eu me despeço de uma pessoa
Pode ser que essa pessoa esteja me vendo pela última vez
A morte, surda, caminha ao meu lado
E eu não sei em que esquina ela vai me beijar

Com que rosto ela virá?
Será que ela vai deixar eu acabar o que eu tenho que fazer?
Ou será que ela vai me pegar no meio do copo de uísque?
Na música que eu deixei para compor amanhã?
Será que ela vai esperar eu apagar o cigarro no cinzeiro?
Virá antes de eu encontrar a mulher, a mulher que me foi destinada,
E que está em algum lugar me esperando
Embora eu ainda não a conheça?

Vou te encontrar vestida de cetim,
Pois em qualquer lugar esperas só por mim
E no teu beijo provar o gosto estranho
Que eu quero e não desejo,mas tenho que encontrar
Vem, mas demore a chegar.
Eu te detesto e amo morte, morte, morte
Que talvez seja o segredo desta vida
Morte, morte, morte que talvez seja o segredo desta vida

Qual será a forma da minha morte?
Uma das tantas coisas que eu não escolhi na vida.
Existem tantas... Um acidente de carro.
O coração que se recusa abater no próximo minuto,
A anestesia mal aplicada,
A vida mal vivida, a ferida mal curada, a dor já envelhecida
O câncer já espalhado e ainda escondido, ou até, quem sabe,
Um escorregão idiota, num dia de sol, a cabeça no meio-fio...

Oh morte, tu que és tão forte,
Que matas o gato, o rato e o homem.
Vista-se com a tua mais bela roupa quando vieres me buscar
Que meu corpo seja cremado e que minhas cinzas alimentem a erva
E que a erva alimente outro homem como eu
Porque eu continuarei neste homem,
Nos meus filhos, na palavra rude
Que eu disse para alguém que não gostava
E até no uísque que eu não terminei de beber aquela noite...

Vou te encontrar vestida de cetim,
Pois em qualquer lugar esperas só por mim
E no teu beijo provar o gosto estranho que eu quero e não desejo,mas tenho que encontrar
Vem, mas demore a chegar.
Eu te detesto e amo morte, morte, morte
Que talvez seja o segredo desta vida
Morte, morte, morte que talvez seja o segredo desta vida

terça-feira, 3 de julho de 2018

DAVI


- E aê? Qual a novidade?

- Rapaz, ao me ver de corpo inteiro no espelho, descobri que lembro muito o Davi de Michelangelo.

- Com essa barriga? Pirou?

- Pode acreditar!

- Fumou orégano? Cheirou uma carreira de toddy?

- Olha só esta foto: tudo bem que meu rosto não tem os traços perfeitos da estátua, nem minha barriga é trincada como a do Davi, mas um detalhe anatômico é igualzinho, principalmente no tamanho!

- Puta que pariu!


SÚPLICE

Alegria, não mais te reconheço

Medo, afaste-se só um pouco

Tristeza, não aguento mais

Saudade, não se aproxime

Dor, por favor, já basta

Vida, não mais te quero bem

E Você, Você que está a me espreitar,

Não se acanhe, pode chegar...

sábado, 30 de junho de 2018

ENGAIOLADO


Este é um comentário, uma resposta que acabou virando novo post. Taí, este texto é um(a) respost! Que acha, Marreta?

Não entendo de aquários e detesto gaiolas. Sempre achei abominável a visão de pássaros engaiolados; nunca consegui aceitar que alguém aprisione passarinhos só por gostar de seu canto, suas cores, sei lá que mais. Os pássaros jamais deveriam ser aprisionados em gaiolas. Os defensores dessa crueldade argumentam que os canários e seus companheiros de infortúnio morreriam se fossem soltos, pois “estão acostumados” com a falta de liberdade. Comovente! Então, por que foram capturados e presos?

Uma vez eu li que as aves em geral têm um “espaço vital” ou território, cada espécie com um tamanho ou abrangência diferente.  As aves de rapina têm quilômetros quadrados para chamar de seus. Pássaros pequenos movimentam-se em espaços menores. Mas nada comparado com gaiolas.

Eu fui uma criança engaiolada e sei o quanto foi estranho ver a porta abrir-se um pouco. Talvez nunca tenha conseguido abandonar as gaiolas em que fui entrando ao longo da vida. É por isso que eu digo “Abaixo as gaiolas!

Sou contra gaiolas, estejam elas com animaizinhos indefesos ou aprisionando nossas vidas, nossos sonhos e emoções. Sentir-me livre algumas vezes, ainda que fossem sensações fugazes, tornou-me um defensor perpétuo da Liberdade. (Acho que me entusiasmei demais. Está frio agora, talvez seja melhor entrar de novo e fechar bem a porta...)



SKYLINE PIGEON - ELTON JOHN & BERNIE TAUPIN

"Saia voando, pombo correio, voe
Em direção aos sonhos

Que você há muito deixou para trás"



Skyline Pigeon
Turn me loose from your hands
Let me fly to distant lands
Over green fields, trees and mountains
Flowers and forest fountains
Home along the lanes of the skyway

For this dark and lonely room
Projects a shadow cast in gloom
And my eyes are mirrors
Of the world outside
Thinking of the ways
That the wind can turn the tide
And these shadows turn
From purple into grey

For just a Skyline Pigeon
Dreaming of the open
Waiting for the day
He can spread his wings
And fly away again

Fly away, skyline pigeon, fly
Towards the dreams
You've left so very far behind
Fly away, skyline pigeon, fly
Towards the dreams
You've left so very far behind

Let me wake up in the morning
To the smell of new mown hay
To laugh and cry, to live and die
In the brightness of my day

I want to hear the pealing bells
Of distant churches sing
But most of all please free me
From this aching metal ring
And open out this cage towards the sun

For just a Skyline Pigeon
Dreaming of the open
Waiting for the day
He can spread his wings
And fly away again

Fly away, skyline pigeon, fly
Towards the dreams
You've left so very far behind
Fly away, skyline pigeon, fly
Towards the dreams
You've left so very, so very far behind
Pombo do Horizonte
Liberte-me de suas mãos
Deixe-me voar para terras distantes
Sobre campos verdes, árvores e montanhas
Flores e fontes em florestas
Para casa, ao longo das raias do horizonte

Pois este quarto escuro e solitário
Projeta uma sombra lançada na escuridão
E meus olhos são espelhos
Do mundo lá fora
Pensando nas maneiras
Em que o vento pode virar a maré
E as sombras mudarem
De roxo para cinza

Simplesmente para o pombo do horizonte
Sonhando com o aberto
Esperando pelo dia
Que ele possa abrir suas asas
E sair voando novamente

voe longe, pombo do horizonte, voe
Em direção aos sonhos
Que você há muito deixou para trás
Saia voando, pombo correio, voe
Em direção aos sonhos
Que você há muito deixou para trás

Deixe-me acordar de manhã
Para o cheiro do feno recém-cortado
Para sorrir e chorar, para viver e morrer
Na claridade do meu dia

Eu quero ouvir os sinos ressonantes
Das igrejas distantes cantar
Mas, acima de tudo, por favor me livre
Destas algemas dolorosas
E abra esta gaiola em direção ao sol

Simplesmente para o pombo do horizonte
Sonhando com o aberto
Esperando pelo dia
Que ele possa abrir suas asas
E sair voando novamente

Voe longe, pombo do horizonte, voe
Em direção aos sonhos
Que você há muito deixou para trás
Voe longe, pombo do horizonte, voe
Em direção aos sonhos
Que você há muito, muito tempo deixou

NEUROTIRAS - 06