quinta-feira, 25 de outubro de 2018

AFINAL, O BRASILEIRO É CORDIAL?


Nos últimos tempos tenho me divertido em postar frases provocativas no Facebook, só para espicaçar ou provocar meus 127 “amigos de Facebook”. Essas postagens sempre começaram com a frase “O brasileiro é cordial!”, seguida de um comentário pessoal, não necessariamente motivado por alguma notícia recente. E a razão de ter feito isso reside no fato de que a defesa de candidaturas e posições políticas tem gerado uma histeria tão grande e reações tão explosivas que acabo pensando que essa propalada crença na cordialidade do brasileiro pode ser apenas um equívoco, ou, no mínimo, um pouco de "ufanismo social".

Apesar disso, pude contar com a cordialidade de meus amigos, pois nunca fui agredido por nenhum deles, talvez por levar tudo na brincadeira, na ironia e gozação. Cutuquei petistas e bolsonaristas sem nenhum problema, pela simples vontade de tentar provocar o riso e desarmar os espíritos. Talvez tenha sido considerado inconveniente ou chato pra caramba, o "mala da internet", pois não me posiciono claramente. Meu negócio sempre foi tentar mostrar que "o rei está nu" (qualquer “rei”).

 Mas percebi uma coisa preocupante e verdadeira: muitas "amizades" foram abaladas ou desfeitas justamente pelos envolvidos não suportarem ver seus "amigos" com opiniões e crenças antagônicas às suas. Isso é realmente triste, pois, para mim, indica também uma visão estreita da vida. Essa visão estreita é que leva à violência verbal e, às vezes, até à física. Por isso mesmo é que me surpreendi ao ver que pessoas tão gentis e amistosas no dia a dia tenham se mostrado como se fossem ogros (ou ogras). Nesses casos, achei uma solução provisória, que durará só até o dia da eleição do segundo turno: deixei de seguir os mais chatos e exaltados, independente de suas escolhas eleitorais.

Tenho certeza (por já ter sido cobrado por isso) que alguns estranham minha “neutralidade”, pois porto-me como se fosse só um espectador. Mas o que vejo, leio ou fico sabendo às vezes me deixa arrepiado, tal o espanto que me causam as fake news. Mas, se fosse "só" isso, dava para suportar um pouco. O que realmente me surpreende são os comentários de pessoas que eu julgaria as mais equilibradas e tranquilas, gente que posta fotos de bichinhos fofinhos, flores e orações. O que vejo são pessoas “cordiais” distribuindo "voadoras” do pescoço para cima, verdadeiros golpes (virtuais) de MMA, tão grande é a agressividade que expressam.

Quando criança, quase feri meu pé ao pisar despreocupadamente em um monte de serragem já quase totalmente queimada, mas ainda fumegante. Mal comparando, hoje eu percebo que muitas pessoas são como essa serragem queimando “inofensivamente”. Por cima, ficam as cinzas e uma fumacinha saindo. Mas não queira bulir nesse monte, pois em baixo há brasa e fogo.

Talvez as redes sociais liberem comportamentos e reações que no mundo real (não virtual) as pessoas se preocupem em controlar ou não exibir. Ou seja, paixão em estado puro, como se fosse uma guerra de torcidas enlouquecidas. Por isso mesmo, eu tenho feito brincadeiras e ironias com essa frase tão simpática. E, se querem saber minha resposta à pergunta "o brasileiro é cordial?", a resposta é "Não". Mesmo que aparente ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário